Esporte, Veganismo

Novo estudo com lutadores de UFC mostra que proteína vegetal produz os mesmos resultados que o soro de leite em atletas

Pesquisadores americanos da Universidade de Miami apresentaram um resumo de estudo em andamento no 14o Congresso da Sociedade Internacional de Nutrição Esportiva, em junho de 2017, em Phoenix AZ (EUA). Publicado recentemente, revela que os atletas que consumiram suplemento vegetal de proteína de arroz integral durante o treinamento tiveram os mesmos resultados daqueles que usavam proteína de soro animal. Dirigido pelo Dr. Douglas Kalman e nutricionista esportiva Alison Escalante da Universidade Internacional da Flórida, o estudo mostra que construir e manter a massa muscular ao longo de um período de seis semanas foi “estatisticamente similar” entre as duas proteínas.

Foi a primeira vez que se fizeram uma comparação entre proteínas vegetais e proteínas de soro animal especificamente em atletas profissionais. O grupo testado consistiu em 11 lutadores de MMA, sendo que sete desses lutadores possuem atualmente contratos com o UFC. Douglas Kalman e Alison Escalante avaliaram esses 11 atletas, jovens saudáveis, de MMA realizando treinamento intenso (5x/sem. de 2 sessões de treino dia + 1x/sem. sabado + 2x/sem musculação), comparando a adição de ingesta de 75g/dia de proteína em pó (Whey Protein VS Proteina Isolada de Arroz)

“As proteínas vegetais são frequentemente consideradas inferiores às proteínas à base de carne ou leite”, diz Kalman. “Há agora evidências crescentes de que, não só em jovens atletas amadores, mas em atletas de elite e alto nível, como lutadores de MMA, que a proteína vegetal – no caso a do arroz – funciona tão bem para ajudar uma pessoa a manter o peso corporal e a massa muscular, quanto aquela obtida do soro de leite animal. Além disso, nós tendemos a ver que a gordura corporal foi reduzida no grupo de proteína de arroz, bem como o músculo foi mantido “.

O grupo de lutadores, que incluiu o ex-vencedor do título dos pesos pesados ​​do UFC, Anthony “Rumble” Johnson, foi dividido em dois sub-grupos: “Time Veg” e “Time Animal”. Ao longo de seis semanas, foram instruídos a consumir três colheres por dia (75 gramas de total) enquanto seguiam sua dieta normal e processo de treinamento. Os participantes fizeram isso através de agitar ou misturar os suplementos em alimentos como aveia ou panquecas.

Todos os atletas foram testados periodicamente com tecnologia de ultra-som para medir a composição corporal.

“O que nós analisamos a partir de uma perspectiva científica foi averiguar se damos calorias extras, há alguma mudança no peso corporal? Se damos proteína extra, há alguma mudança na massa corporal magra? “, Diz Kalman. “A proteína do arroz mostrou ser tão eficaz quanto a proteína de soro de leite durante altos volumes de treinamento”.

Anthony “Rumble” Johnson trabalhou com o Dr. Douglas Kalman em um estudo comparando proteínas vegetais vs. animais. Cortesia de Will Harris

A proteína de soro de leite, de acordo com Kalman, é o suplemento protéico mais popular, principalmente com base em sua primeira colocação no mercado. Os resultados também estão claramente lá. Mas alguns atletas são vegetarianos ou veganos e não o irão consumir. Outros simplesmente não gostam do gosto ou tiveram problemas de estômago e precisam de outras vias para uma fonte de proteína durante treinamento intenso.

Andre Soukhamthath é uma dessas pessoas.

O lutador de peso pesado do UFC disse que a proteína do soro de leite o encheu demais e sempre o deixou sentindo “como se houvesse algo no meu estômago que eu estava carregando”. Mesmo durante os treinos, demorou muito para digerir. Ele primeiro tentou proteína de arroz marrom antes de sua luta contra Luke Sanders em dezembro e acredita que fez uma diferença em seu desempenho. Soukhamthath facilmente adquiriu massa muscular e ganhou pelo TKO na segunda rodada.

Ele continuou como parte da “Time Veg” e ficou novamente satisfeito com os resultados. “Eu amei a proteína vegetal”, diz Soukhamthath. “Isso apenas funciona bem com o meu sistema digestivo. Notei que isso me manteve talvez quatro ou cinco quilos mais leve do que quando eu estava usando proteína de soro.

“Quando você está em uma dieta e você está observando seus carboidratos, você está com pouca energia. É aí que a proteína vegetal entrou. É uma proteína que me deu energia e me fez sentir cheio, então eu não queria adicionar à minha dieta “.

Andre Soukhamthath trabalhou em estreita colaboração com a nutricionista esportiva Alison Escalante enquanto treinava para sua luta mais recente. Cortesia de Will Harris

O peso pena do UFC Chas Skelly era parte do grupo de proteína à base de carne, mas ele disse que está animado em experimentar o outro suplemento em futuras disputas de luta.

“O MMA é um esporte bastante jovem, então sempre que algo novo aparece e as pessoas pulam nele, está sempre melhorando o seu jogo”, diz Skelly. “Obviamente, os resultados estão aí, então não há dúvida de que funciona. Vou tentar para o próximo acampamento, com certeza.”

Fonte: ESPNSPRINGER LINK

Previous Post Next Post

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply